Arquivo da tag: Bin Laden

Quem matou o facínora?

Celso Amorim

20 de maio de 2011

Naquele que viria a ser o seu último grande western, John Ford conta a história de um velho senador, Rance Stoddard (encarnado por James Stewart), que, acompanhado da esposa, Hallie (Vera Miles), viaja rumo a uma cidadezinha do Oeste americano para poder prestar a última homenagem a um velho amigo, recém-falecido, Tom Doniphon (John Wayne).

 O filme logo nos transpõe, em um longo flash-back, para um período já distante, em que o então jovem advogado e futuro senador Stoddard, um tipo suave e urbano, chega ao vilarejo e conhece a bela Hallie, com quem viria mais tarde a se casar, mas que na época era a paquera de Tom, um sujeito rude, mas de bom caráter.

 A rivalidade pela mocinha entre o brando e intelectualizado (para os padrões locais, bem entendido) Stewart e o caubói machão, vivido por Wayne, é sempre um subtema do filme, mas o verdadeiro enredo gira em torno da prepotência de um malfeitor que domina a cidade, Liberty (!) Valance.

 Em razão de peripécias várias, em que questões de representação popular e liberdade de imprensa estão, de algum modo, envolvidas, o pacato Rance Stoddard é levado a um duelo com o violento Liberty. A cidade aguarda, aterrorizada, a morte certa do bom moço. Mas, miraculosamente, é ele quem mata o bandido e liberta os habitantes de um agente do mal. Continuar lendo

Blog do Bin

Hoje Estou Terrível

┤ Eu não estava armado quando fui encontrado pelos militares americanos, mas confesso que ofereci enorme resistência. Ameacei-os com meu cortador de unhas, novinho e afiado. Eles não tiveram outra opção a não ser atirar.

┤Um pouco antes de ser alvejado, ouvi os soldados do Seal cantando But You Will Never Gonna Survive …

┤Nunca imaginei que uma casa sem telefone e internet pudesse levantar suspeitas. Isso no Brasil é tão comum, principalmente para aqueles que assinam esses serviços.

┤Refugiei-me em AbbottaBAD porque queria dar uma dica ao FBI. Adoro ARG.

┤Na casa onde fui surpreendido, encontraram garrafas de Coca-Cola e Pepsi. Mas não pensem que isso é indício de uma contraditória adesão à imoralidade capitalista americana. Nossa real intenção era despistar os observadores e construir bombas caseiras, misturando os refrigerantes com pastilhas de Mentos.

┤Eu realmente tinha planos de destruir outros símbolos americanos. Nossos próximos alvos seriam uma fábrica de Ipads na China, a Prisão de Guantánamo em Cuba e a Barra da Tijuca no Rio.

┤Apesar de ter sido finalmente derrotado, resta-me um certo orgulho. Fui o protagonista da caçada humana mais longa e cara de que se tem notícia, depois, obviamente, da disputa de alguns clubes brasileiros pelo passe do Ronaldinho Gaúcho.

┤Ao usar Gerônimo para me designar durante a operação, os americanos demonstraram bem como apreciam os seus índios nativos.

┤Alguns veículos da imprensa estamparam, em grandes manchetes, que fui enterrado no mar. Bom, esse teria sido meu último feito extraordinário: ser enterrado na água não é pra qualquer um. Tem gente que adora me mitificar.

┤Até agora não vi uma virgem sequer. Ou prometi virgens demais ou está difícil mesmo de encontrá-las em qualquer parte.

┤Para me distrair, fui jogar Call of Duty, mas a rede do Playstation estava fora do ar. Que inferno, jogar contra máquina não tem graça.

┤No fundo, agora literalmente, fui um cara superestimado. Em seu livro, o acadêmico John Mueller prova que o total de americanos mortos em atentados, desde os anos 60, é “mais ou menos igual ao de mortos por cervos nesse período”. É por isso que eu sempre combati o homossexualismo.

┤Uma de minhas esposas ajudou a reconhecer o meu corpo. Fosse o contrário, eu ia ter grande dificuldade. Enfim, uma vantagem da monogamia.

POSTADO POR: Osama bin Laden

Fonte