2 vezes Hilda

XXII
Não me procures ali
onde os vivos visitam
os chamados mortos.
Procura-me
Dentro das grandes águas
Nas praças
Num fogo coração
Entre cavalos, cães,
nos arrozais, no arroio
Ou junto aos pássaros
Ou espelhada
Num outro alguém,
Subindo um duro caminho.

Pedra,
semente, sal
Passos da vida.
Procura-me ali.
Viva.

Da Morte.Odes mínimas.
Editora Globo

 

II
Demora-te sobre minha hora.
Antes de me tomar, demora.
Que tu me percorras cuidadosa,etérea.
Que eu te conheça lícita,terrena

Duas fortes mulheres
Na sua dura hora.

Que me tomes sem pena
Mas voluptuosa, eterna
Como as fêmeas da terra.

E a ti, te conhecendo
Que tu me faça carne
E posse
Como fazem os homens

Da Morte.Odes Mínimas
Ed. Globo-2003, p. 38

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s