Agora cult, Odair José grava álbum de inéditas e quer reconhecimento artístico

Não é de hoje que o valor da obra de Odair José, 61, vem sendo reavaliado.

Quando, em 2006, o compositor foi homenageado com o tributo “Eu Vou Tirar Você Desse Lugar”, em que artistas pop como Pato Fu, Paulo Miklos, Mundo Livre S/A e Mombojó regravaram suas canções, algumas pedras foram arrancadas do muro que o separa dos compositores “sérios” da MPB.

Agora, o cantor prepara álbum de canções inéditas que pode contribuir com esse movimento agregador.

Previsto para chegar às lojas no primeiro trimestre de 2011, “Praça Tiradentes” está sendo produzido por Zeca Baleiro e vai contar com repertório composto especialmente para Odair por artistas como Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown e Chico César.

Baleiro conta que a lista de candidatos a emplacar uma música na voz de Odair era grande, mas a ideia é que o próprio compositor colocasse suas canções na roda.

“Ele achava que não gravaria mais discos, já tinha feito tudo”, diz o produtor. “Isso por causa da demanda. Em shows, as pessoas querem ouvir aquelas mesmas músicas –tanto os velhos fãs quanto a nova geração que passou a acompanhá-lo.”

O cantor e compositor Odair José, 61, posa em frente às Grandes Galerias, na av. São João, reduto roqueiro de São Paulo

O cantor e compositor Odair José, 61, posa em frente às Grandes Galerias, reduto roqueiro de São Paulo

“ADÚLTERO”

A nova geração a que Baleiro se refere vem dedicando atenção especial ao trabalho de Odair, sobretudo à safra dos 1970 –sucessos como “Vou Tirar Você Desse Lugar” e “Uma Lágrima”.

Artistas mais jovens, como Marcelo Jeneci, Tatá Aeroplano (da banda Cérebro Eletrônico) e China, não desviam de colocar Odair entre as referências.

Mas é no trabalho da banda cearense Cidadão Instigado, liderada por Fernando Catatau, que ecos do velho Odair ressoam com resultado mais surpreendente.

“O que me interessa em Odair é a maneira simples e direta com que ele atinge as pessoas”, diz Catatau. “É exatamente a mesma verdade que sinto quando ouço Raul Seixas, Black Sabbath.”

O cantor Otto, outro dos admiradores de Odair, traça um paralelo entre o compositor goiano e outro, nascido em Cachoeiro de Itapemirim, com igual vocação popular.

“Odair e Roberto Carlos fizeram basicamente o mesmo caminho, mas em estradas paralelas”, diz. “Roberto é para a família, para meu pai e minha mãe. Odair é para o cabaré, é para meu pai sozinho, para o homem adúltero. Ele é o verdadeiro rebelde.”

DOCUMENTÁRIO

Odair detecta que o preconceito da elite brasileira em relação a seu trabalho começou a arrefecer em 2002, graças à publicação do livro “Eu Não Sou Cachorro, Não”, de Paulo César de Araújo.

Ali, o autor defendia o caráter combativo dos artistas ditos “cafonas”, Odair entre eles, durante a ditadura militar, nos anos 1970.

“A memória da MPB só investigou a repressão política e se esqueceu da repressão moral”, diz Araújo. “O autoritarismo não se expressa apenas pelo governo militar. O quartinho da empregada e o elevador de serviço são contribuições brasileiras à arquitetura universal. E era isso que Odair denunciava.”

Os direitos autorais de “Eu Não Sou Cachorro, Não” foram comprados pela cineasta Helena Tassara, que toca o projeto de um documentário. Na tela, a luta dos “cafonas” contra os militares (e o preconceito da própria esquerda) mudou de nome para, veja só, “Vou Tirar Você Desse Lugar”. Odair é o destaque.

Hoje, Odair só pensa no disco novo. Esse sim, ele afirma, vai ser o último da longa carreira, que já dura 40 anos.

“Há dez anos, eu mesmo não defendia a qualidade do que fazia. Falaram tanto que meu trabalho era menor que eu acabei acreditando”, diz. “Agora, estou vendo meu trabalho de forma mais respeitosa. Sei que minhas músicas vão durar muitos anos e sustentar meu filhos. Mesmo depois que eu morrer.”

MARCUS PRETO- DE SÃO PAULO

Fonte

Anúncios

6 Respostas para “Agora cult, Odair José grava álbum de inéditas e quer reconhecimento artístico

  1. Senhor editor do blog,
    Do Zeca Baleiro eu não compro um bala!
    E do Roberto Carlos vendo um LP “Em Ritmo de Aventura”, ações do BEG – Banco do Estado da Guanabara, o carro Esplanada que ele dirigiu no filme e uma foto autografada do Zé Lewgoy.
    Abraços,
    Roberto Farias.

    Curtir

  2. SE o Zeca BAleiro tá produzindo, é negócio garantido.
    Será ótimo!

    Curtir

  3. Ricardo Cambraia

    O livro do Paulo César Araújo citado na reportagem vale a leitura…

    Curtir

  4. Muito bem, senhora Ana Lúcia.

    Obrigado pleo voto.

    Curtir

  5. Não porque não gosto dele no estilo que pretende assumir.
    No mesmo estilo, e muitíssimo melhor, sem comparação, é o Roberto Carlos. Do Roberto, sim, eu compro cd e tenho um dvd.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s